alt

 

 

 

STAGE / ETAPA 5
ALFAIATES / MONSANTO

7 JUNE 2018

70 KM / 1649 M+

3

ALTIMETRY PDF / PDF ALTIMETRIA

 

DIÁRIO DA ETAPA DE UMA TRAVESSIA ANTERIOR

Caros amigos,
A Travessia vai em frente descobrindo o “Portugal das traseiras”. Não há fotografria, nem palavras que possam descrever o que se vê, e as emoções por nós vividas lá do alto da Serra da Malcata. Tudo o que a nossa vista alcança, e neste dia de céu azul alcança muito, não se vislumbra algo onde se denota a intervenção da mão do homem para além dos caminhos e corta-fogos que sulcam a densa vegetação da serra. São 30 kms de paisagem profundamente selvagem, rodeados por Natureza forte que nos toca bem dentro do nosso emocional. Longe das cidades, aqui “perdidos” neste recanto longínquo e esquecido do nosso Portugal, somos confrontados com a presença magnânima da Mãe Natureza que nos faz reduzir, a nós comuns mortais, à nossa verdadeira dimensão como seres vivos que somos e que com tanto outros seres vivos que nos rodeam, partilhamos este planeta, que por isso não é só nosso e por isso não temos o direito de o alterar sacrificando o bem estar desses outros seres vivos. Longe das cidades onde largámos os nossos empregos, qual expressão ignóbil eles têm perante esta tão imponente presença divina. Aqui “stress” não passa de uma palavra que já significou algo que já não conseguimos bem compreender o que é, depois destes 5 dias a pedalar de sol a sol vivendo o dia a dia com a Natureza, gozando-a mas espeitando-a.
A Travessia é isto mesmo, viver, viver, viver.....
Viver com as águias e os milhafres que nos observam lá do alto, os rouxinóis chilreando nos salgueirais junto aos rios e ribeiras, o som relaxante do vento a afagar as searas, viver com os lagartos que rastejam para um esconderijo quando aparecemos súbitamente no caminho, viver com as inúmeras flores selvagens de uma míriade de cores que preenchem o nosso campo de visão, qual quadro vivo e belo donde bebemos as forças para viver. Não há fotografia.......
A 5ª etapa ALFAIATES - MONFORTINHO de 88 kms é para nós Organização que somos apaixonados pelo selvagem, distante e isolado, a Etapa.
Fóios, na entrada norte da Serra da Malcata ao Km 15 é último contacto com a civilização, a seguir são 70 kms sem passar em aldeias, casas ou estradas asfaltadas, da Malcata para o sopé da Serra do Ramiro, daqui infletindo para Este de encontro ao Rio Erges que seguimos durante vários Kms até às Termas de Monfortinho.
Foi mais um dia de calor intenso e que por isso mesmo decidimos fazer as partidas de Alfaiates bem cedo. Tomamos o pequeno-almoço às 5:30 da madrugada e com os primeiros raios de Sol aí estava o Nível 1 a arrancar. Os outros grupos seguiram cerca de 1 hora mais tarde pelas 7:30. Rolou-se bem mas primeiras horas da manhã pela fresquinha e foi já bem dentro da Malcata que o calor começou a fazer-se sentir mas hoje sem nunca molestar demasiado. Os 30 participantes nesta etapa ficaram deslumbrados com a Malcata, excepção feita para o casal de holandeses que se tinham juntado a nós ontem e que por via de falta de técnica e terem bicicletas inadequadas (sem suspensão) aqueles pisos não resistiram à dureza dos caminhos da Malcata e tiveram de desistir completamente exaustos e desconsolados por não poderem continuar até ao fim. Foram recolhidos pela Organização ao Km 45. Aqui que é o único ponto deste troço de 70 kms onde tocamos uma estrada de alcatrão, tinhamos a Wendy à nossa espera com a carrinha recheada de Ice teas e fruta bem fresca que fez as delícias de todos que estavam longe de imaginar que poderiam beber algo fresco por aquelas bandas.
Logo a seguir tivemos o primeiro banho do dia numa piscina natural feita por um rio que tinhamos que atravessar. A água do rio corria morna e ali permanecemos dentro de água durante muito tempo, foi um momento de grande prazer ao podermos refrescar os nossos corpos quentes e ensolarados.
Mas aproximava-se a hora limite combinada para chegar ao portão da reserva de veados que queriamos atravessar e como tinhamos combinado com o guarda até às 15:00 e porque já estavamos atrasados resolvemos montar uma forma de nunca parar nos cruzamentos sacrificando uma pessoa em cada cruzamento que ficava fazendo a ligação até ao último do grupo. Desta forma 20 kms depois estavamos junto ao portão da reserva pelas 14:40 e conseguimos o nosso objectivo. Atravessamos em seguida toda a reserva para norte de encontro ao rio Erges, uma descida de 6 kms para a qual tive o cuidado de avisar os participantes dizendo-lhe que nunca por todas as vezes que passamos por ali em anteriores eventos conseguimos passar sem incidentes. Este ano mais uma vez os tivemos com 2 quedas, uma delas causando um golpe na mão de um dos do meu grupo que mais tarde teve de ser suturado.
O rio Erges foi atravessado por 2 vezes, e numa delas onde a água corria quente e baixa sobre os seixos do leito, deitamo-nos dentro da água que mal nos cobria o corpo e ali estivemos refrescando e comendo dentro de água por algum tempo. Mais à frente e já junto ao final da etapa atravessamos o Erges pela última vez mas desta feita com água pela cintura, mas sempre quente, decerto que a temperatura da água do rio deveria rondar os 30/32 graus.
O Hotel Astória foi o local de pernoita e jantar neste longo dia de BTT em que chegamos às 17:00, o outro grupo nível 2 às 18:30 e o grupo nível 1 pelas 20:30 depois de 14 horas de BTT com muitos furos, rebentamento de pneus e outras paragens lúdicas que este grupo sempre arranja forma de fazer. Para o final também houve quem se não sentisse bem acusando o esforço de um dia cheio de BTT de subidas e descidas, de Sol e muito suor.
A noite está quente a deixar antever um dia de amanhã em nada diferente em termos de temperatura.
O nosso GPS Garmin  diz da etapa de hoje:
- Extensão = 88 kms;
- Velocidade média = 15,0 Kms/h;
- Vel. Máx. = 72,7 Kms/h;
- Tempo a pedalar = 5h 52m;
- Acumulado de subidas = 1473m;
- Acumulado de descidas = 1960m;
- Totalizador de Kms da Travessia = 355 Kms.

  

SEE ALL / VER TODAS

NEXT / SEGUINTE